domingo, 17 de julho de 2011

Apelo a lua

Lua gritante quando surge 
De longe me chama e sinto.
Sinto no pulsar de brilho 
A força que liga tão semelhantes.
Encontro em sua presença abrigo.
Força de espírito que mostra-me 
Caminho, caminho ao findar de angústias.
Aprendizado e incentivos a criação arte,
Infinita inspiração de todos voares. 
Para lua quero entregar todos meus segredos,
Descobrir juntos o que ainda está em oculto.
Não calarei boca, sempre direi...
Preciso de você!!!
Lua bela e formosa
Na sua sabedoria me embeveço. 
Preciso!
Preciso!
Preciso!

2 comentários:

  1. TRISTEZAS DA LUA
    "Divaga em meio à noite a lua preguiçosa;
    Como uma bela, entre coxins e devaneios,
    Que afaga com a mão discreta e vaporosa,
    Antes de adormecer, o contorno dos seios.

    No dorso de cetim das tenras avalanchas,
    Morrendo, ela se entrega a longos estertores,
    E os olhos vai pousando sobre as níveas manchas
    Que no azul desabrocham como estranhas flores.

    Se às vezes neste globo, ébria de ócio e prazer,
    Deixa ela uma furtiva lágrima escorrer
    Um poeta caridoso, ao sono pouco afeito,

    No côncavo das mãos torna essa gota rala,
    De irisados reflexos como um grão de opala,
    E bem longe do sol a acolhe no peito"

    ResponderExcluir
  2. "Bem longe do sol a acolhe no peito"

    ResponderExcluir