sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Lado a lado

                                  E mais o uma vez 
O passado surgi no presente
Passado no presente 

Aflora ardente o que me deras 
Das flores belas saboreei 
 Tantas belezas 

 Nos coloridos das pétalas 
Nos caules meio a relva 
E o mel na tua sei vá 

Brota escorrendo 
 em meus lábios 
 Com prazer me alimento 

Seus pedaços mordiscando  
 Línguas bendizendo
Se cruzando relento  

Liberando essência divina 
 Cem olhos nos viram 

Mil nos perseguiras 
 Sem pudor 
 Encostando nossas almas 
 Lado a lado 

Ao contato da pele 
Transformação 

Os sentidos 
Confrontando a razão 
Embebidos os corpos 
 Em for ma ao que 
 Sua criatura 
Tão bela e inocente 
Grande crescera o prazer 

Rasgando a seda 
 E todo lenço 
Suas carnes 
Transpirando no calor 

Da presença do passado 
 No presente 
 Da essência renovada

Um comentário:

  1. Uma poesia delicada e com conteúdo forte. Admiro os seus textos, são lindos.
    Beijos!

    ResponderExcluir